lunes, 10 de agosto de 2009

Este poema era meu. Agora não é mais. 2

yo soy el acróbata del asiento trasero
y sólo vos me ves. voy a dejar las
dos manos en el vidrio y contorsionarme
atado a este cinturón que me libra
del mal, toda suerte adversa, azar,
quebranto y frenadas bruscas. estos
los minutos finales del gran espectá-
culo, hasta que te vayas, arrancando
con vigor tu rostro triste, escaso
como si quisieras llegar a ningún sitio.
adonde tenés que ir. los encendedores de las hornallas
no funcionan y estamos sin fósforos. no
tomaremos calmantes naturales, pero ex-
plotaremos con discreta naturalidad.
voy a dejar los vidrios abiertos con la esperanza
de oxigenar el mundo y para que alguien
me corte los pies y el tapizado nuevo.
yo soy el acróbata del asiento trasero
y vos no podés verme. el mismo aire que
respiro no es el tuyo, ya que estamos
separados. entre un paso y el otro, uma
espera en la fila del cajero electrónico
con sus enigmas, señas alfanuméricas,
nuestra esfinge posible, un abismo
un abismo. repetí conmigo: un abismo.



(para aníbal cristobo)

eu sou o acrobata do banco de tráse só você me vê. vou deixar asduas mãos no vidro e me contorceramarrado a este cinto que me livrado mal, toda sorte ruim, acaso,quebranto e freadas bruscas. estesos minutos finais do grande espetá-culo, até você ir embora, arrancandocom vagar o seu rosto triste, miúdocomo se quisesse chegar a nenhum lugar.aonde deve ir. os acendedores do fogãopifaram e estamos sem fósforo. nãotomaremos calmantes naturais, mas ex-plodiremos com discreta naturalidade.vou deixar os vidros abertos na esperançade oxigenar o mundo e para que alguémme corte os pés e o estofamento novo.eu sou o acrobata do banco de tráse você não me vê. o mesmo ar querespiro não é o seu, pois estamosseparados. entre um passo e outro, umaespera na fila do caixa eletrônicocom seus enigmas, senhas alfanuméricas,nossa esfinge possível, um abismo.um abismo. diga comigo: um abismo.



Aníbal Cristobo (http://kriller71.blogspot.com/) é, para mim, um dos poetas mais interessantes surgidos nos últimos tempos, de bem agora, na poesia brasileira. Detalhe: Aníbal é argentino. Ele ganhou de presente uma das versões do Manual de Acrobacias n.1, e este poema é só dele, de mais ninguém. E nós ganhamos sua versão em espanhol.Obrigado, Aníbal!